A Pirâmide da Aprendizagem

Escrito por 
Karina N. Tomelin
Publicado 
10/2/2022

Mas independente das polêmicas, a reflexão da pirâmide é positiva para todos os educadores. A pirâmide elaborada por Glasser, um psiquiatra norte americano, conhecido por diversos estudos na área da saúde mental e comportamento humano, propõe que o professor ensine o aluno a fazer, e não a memorizar, como antes o ensino tradicional se propunha.

A ideia é que o estudante saia de uma postura passiva no processo de ensino e aprendizagem, onde apenas recebe conteúdos para uma participação ativa, construindo o conhecimento. A pirâmide da aprendizagem traduz uma representação gráfica indicando o percentual de aprendizagem do aluno considerando sua postura ativa ou passiva no processo.

No método de aprendizado ativo, demonstra que os alunos conseguem aprender mais de 80% do conteúdo quando ele pratica e ensina aos colegas o que aprendeu.

Mas, para que isso ocorra, é necessário que o professor saiba utilizar as ferramentas certas na sala de aula, conforme aponta Libâneo (1994):

Os professores precisam dominar, com segurança, esses meios auxiliares de ensino, conhecendo-os e aprendendo a utilizá-los. O momento didático mais adequado de utilizá-los vai depender do trabalho docente prático, no qual se adquire o efeito traquejo na manipulação do material didático (LIBÂNEO, 1994, p. 173).

Dentro do processo de ensino aprendizagem, o professor tem um papel fundamental. Ele será um mediador para que o aluno adquira as competências e habilidades necessárias para avançar adiante. Ele irá instigá-lo a buscar o conhecimento, ser autodidata e se tornar sua melhor versão como cidadão crítico e capacitado para exercer seu papel na sociedade.    

“Quanto mais rápido você vai, mais alunos deixa para trás. Não importa o quanto ou quão rápido você ensina. A verdadeira medida é quantos alunos aprenderam”.(William Glasser)

Em síntese, o docente tem a função de orientar e guiar o aluno para a construção de uma base sólida para percorrer a jornada da busca pelo conhecimento. Diferentemente do ensino tradicional, em que o professor irá cobrar ou controlar seus alunos, o processo de ensino e aprendizagem atual propicia o uso de metodologias e abordagens que levem o estudante a buscar independência, liberdade e autonomia. Para isso, o aluno deverá desenvolver autonomia, terá responsabilidades e será o protagonista de seu aprendizado.

Assine a Newsletter de Design

Não vamos compartilhar suas infos. Ver  Politica de Privacidade
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Conecte-se a nossa
comunidade
vá além

Compartilhamos Nossas Ideias
com Você

ver mais
Tecnologia
15
/
Jun
/
2022

Alexa, abrir EducaBox!

Mais uma novidade para ajudar no desenvolvimento de professores! Depois do EducaBox, o app gratuito de microformação, o professor também pode aprender todos os dias na Alexa.
Carreira
15
/
Jun
/
2022

Dismorfia profissional, o que é?

A dis.morfia ou forma alterada, trata, em resumo, da visão modificada que muitas pessoas têm delas mesmas. Esse conceito, na área da Psicologia, chama-se dismorfia corporal.
Educação
25
/
Feb
/
2022

A docência da era digital

Depois de dois anos de escolas fechada estamos voltando. Não podemos mais voltar ao nosso velho normal. Sem dúvida houveram muitas lições e que não podem ser esquecidas por nós professores. Eu selecionei três aqui para compartilhar com vocês.
Design
5
/
Jan
/
2022

O que é Andragogia?

A andragogia diz respeito às abordagens e estratégias do ensino de jovens e adultos. Literalmente, entendemos a andragogia como a arte de ensinar adultos, tendo sua origem nos estudos do educador Malcolm Knowles, que se empenhou em estudar a maneira como adultos aprendem e dessa forma, indicando abordagens mais efetivas que garantisse o sucesso docente com adultos.
Tecnologia
27
/
Dec
/
2021

Objetivos de Aprendizagem e a Taxonomia de Bloom

Proposta por Benjamin Bloom em 1956, a Taxonomia de Bloom, também conhecida como taxonomia dos objetivos educacionais, é uma ferramenta bastante utilizada para acompanhar a aprendizagem dos alunos nos processos avaliativos. A partir dos níveis de complexidade das atividades, a taxonomia de Bloom estrutura, de forma hierárquica, do mais simples ao mais complexo, o domínio cognitivo dos alunos.

@b42design